BONDAGE E SHIBARI: QUAL É A DIFERENÇA?

Quando se pensa em cordas e erotismo, a mente viaja com a ideia de imobilizar uma pessoa com o objetivo de sujeitá-la para transmitir dor ou prazer, geralmente com um objetivo sexual mas o primeiro é saber a diferenciar entre o bondage o shibari e na verdade o Kinbaku:

O bondage é uma prática sexual que imobiliza a outra pessoa. Mas para tal imobilização, não apenas as cordas podem ser usadas; gravatas, algemas, grampos, fitas também são usados ​​… O fim do Bondage é a imobilização da outra pessoa no papel de submissa ou submisso. De fato, o significado da palavra bondage é “escravidão”.

O Shibari é uma palavra de origem japonesa que significa “atadura”. É uma técnica baseada na arte marcial Hojojutsu da era Samurai, onde os laços “elegantes” foram usados.

para mostrar respeito aos prisioneiros de guerra, mas depois se tornou mais cruel e foi usado para transportar ou punir prisioneiros.

No Shibari são usados nós muito estilizados para amarrar ao ser submisso sem necessariamente restringir o seus movimentos. Para este propósito, são usados cabos de fibra natural. O Shibari não se concentra no ser submisso, mas sim em como fazer os nós de tal maneira que seja um caminho para chegar  ao prazer.

O Kinbaku é outra palavra de origem japonesa que significa “amarrar fortemente”. Sua técnica está intimamente relacionado com o Shibari, mas é ainda mais estético e artístico e se concentra em dar prazer ao ser submissos, amarrando certas partes do corpo com cordas, pressionando e causando sensações ou prazer. Utiliza-se cordas naturais, que são um canal através do qual a emoção deve fluir entre quem amarra e quem está atado.

Em suma e na prática, o bondage é uma ferramenta para atingir um fim, o shibari ou melhor dito a Kinbaku, porque Shibari refere-se apenas ao facto de amarrar, é ao mesmo tempo o caminho e o fim onde importân  as sensações que proporcionam as cordas, a fricção, os principais pontos de pressão. O Kinbaku implica uma conexão entre as duas pessoas.

Mas honestamente atar não é algo que pode ser aprendido em um tutorial de dez minutos. Na verdade, nem pode nem é seguro porque pode levar a problemas. A parte artística do Shibari ou Kinbaku é o que costuma chamar a atenção de muitas pessoas, mas o que é realmente fascinante é que o facto de amarrar acaba sendo como um grande abraço porque carrega uma comunicação emocional. Uma vez que a arte do Shibari envolve não só amarras, mas também suspensões ou semi-suspensão no ar, onde os sentimentos são intensificados e segurança assim também. É por isso que é fundamental conhecer as diferentes tipos de ataduras, de acordo com as necessidades.

 

A origem

 

Foi o pintor Itoh Seiyu quem usou práticas do Shibari e do Kinbaku para ilustrar histórias eróticas, desenhos e depois fotos, portanto ele é considerado o pai do Shibari. Itoh Seiyu combinou o Hojojutsu com a sua passion pelos jogos eróticos de dominação e submissão (BDSM), dando origem à arte de Shibari. A sua primeira esposa não compartilhou suas preferências eróticas e foi um casamento que fracassou. Depois a sua segunda esposa e também o seu modelo e musa, uma mulher delicada chamada Kiseko, era sexualmente masoquista e sentiu um grande prazer em ficar amarrada pelo Itoh.

Seiyu gradualmente transformou as ataduras do Hojojutsu com a intenção de tornar a brutalidade em prazer; as cordas que antes pressionaram estrategicamente nervos causando grande dor foram procurar as zonas erógenas e seguras. Ele usava nós e passes de corda que não se apertavam com a luta, evitando assim o risco de cortar a circulação.

 

A parte psicológica e a parte erótica.

Embora haja quem está interessado em uma sessão de Shibari pelo componente erótico, algumas pessoas procuram a cura mental, porque essas técnicas podem tornar-se eficazes em liberar bloqueios emocionais. Os efeitos psicológicos são muito fortes e por vezes contraditória pois  a adrenalina correndo nas veias e sentir-se vulnerável, impotente e sob a vontade de quem amarra, em comparação com o relaxamento e a confiança de estar cuidado por outra pessoa e ser capaz de se livrar responsabilidade e vergonha.

Em relação à parte erótico, ou seja, sempre estará sob o desejo de ambas as partes e é um jogo consensual desde que você pode pressionar uma corda ou fazer-a  vibrar em pontos erógenos do corpo ou dos genitais. O que a pessoa que amarra faz quando tem a outra pessoa atada? ¿Acariciar, flagelação, sexo, fotografia, dexar-lo? Não importa o interessa tudo porque vai depender da relação e a energia que existe entre eles.

Em suma, o Shibari e o Kinbaku são muito mais do que amarrar outra pessoa. Não é uma maneira rápida de encontrar o prazer  é uma arte estética de conexão, que pode libertar emoções se você estiver dispuesto para abrir a mente e o corpo para o que é transmitido.

Interessado no Bondage ou no shibari? ⬇Compra aquí o que precisas para comenzar⬇

CORDA SHIBARI 5 METROS

CORDA SHIBARI 10 METROS

SET FETISH 8 PEÇAS BODAGE EM VERMELHO

FETISH FANTASY CORDA DE SEDA MULTIPOSIÇÃO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *